quarta-feira, 25 de julho de 2012

Olhos castanho-cáusticos



Dor, vergonha, impotência, orgulho ferido, rejeição, tudo isso se misturava num turbilhão arrasador no meu peito. Mas havia mais, sobretudo a falta de compreensão, a impossibilidade de juntar todos os cacos e montar um modelo esquálido que fosse capaz ao menos de apontar, mesmo que minimamente, suas impressões, suas apreensões, e os sentimentos que a impeliam a agir ass... Ela estava em pé perto da janela. Usava um vestido longo, que lhe garantia uma elegante austeridade. Encarava-me de frente. Não sou capaz de descrever ao certo o modo como ela me olhava. Os antes, dóceis, lascivos e melancólicos olhos de coruja-castanho-claros eram agora impávidos, duros, frios, irônicos, cáusticos... Eram olhos hostis, que me rejeitavam com toda força. Fitavam-me de cima a baixo de uma forma assustadora. Fiquei despido, frágil, despojado de qualquer pensamento ou capacidade de reação. De repente eu era um menino diante de uma estranha, uma estátua bela semelhante a uma deusa, porém, de mármore frio. E tudo estava tão longe. Tudo parecia tão vazio.  Não havia o mínimo sinal da menina frágil de olhos tristes, que me pedia com a alma que eu a pegasse nos braços e levasse pra qualquer lugar que a deixasse longe dali, que a fizesse esquecer... Talvez não fosse capaz de reconhecê-la. Sempre ouvi dizer que as mulheres tem um mundo peculiar, imperscrutável à grande parte dos homens, senão a todos. Mas ela era diferente. Não são as mulheres que eu não sou capaz de entender, é essa. Creia-me, amigo. Ela era única, inteligentíssima, intensa, linda, esguia, cozinhava bem, tinha um bom gosto sem igual pra arte, enfim, era genial, porém, era dura. E mal grado meu sempre continuará sendo a única mulher que vou am...

segunda-feira, 23 de julho de 2012

As três forças primordiais


Três forças primordiais regem o mundo desde as mais remotas eras. Pretendo muito presunçosamente analisá-las futuramente. A despeito de filósofos, psicólogos, sociólogos, religiosos, antropólogos, antropófagos e etc., adianto que essas três forças constituem a tão falada santíssima trindade; não é possível dissociá-las, elas se completam e são as responsáveis pelo "progresso" e também pelo "regresso" do mundo, ou seja, elas estão no comando. São elas: o poder, o sexo e a dor.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Temo



Meu vazio me preenche com medos novos
Temo alucinante velocidade dos nossos tempos
Temo a irreflexão que traz discórdia e desespero
Temo as fugas instantâneas e mal sucedidas
Temo a solidão acompanhada,
Temo a desconfiança que me leva o sono
Temo as aspas que fazem outros falarem por mim
Temo os temerários e, também os covardes,
Temo a falta de criação
Temo a comida
Temo o “progresso”
Mas não mais temo a morte
Porém, temo o enfraquecimento da vontade de viver...